SUSTENTABILIDADE - O que é o brise?


Recentemente fizemos uma postagem em nosso Facebook e Instagram com várias fachadas criativas, que tinham como elemento arquitetônico principal os brises. Eles funcionam como uma estratégia para controlar a incidência dos raios solares na edificação.

Aqui no Brasil, este detalhe construtivo é mais comum em prédios institucionais (como universidades, escolas e hospitais) ou até comerciais. Provavelmente você já deve tê-lo reparado e não assimilou bem o que era ou achou que era puramente estético, não é?! Vamos falar neste post de forma rápida e didática como estes elementos funcionam e mostrar algumas referências interessantes para que você também fique apaixonado (a) pelos brises.

Veja esta visão interna de uma edificação que optou pelo uso de brises. Um restaurante de um hotel na Tailândia fez uma composição com este elemento na fachada e um teto com um pergolado em finas ripas que traz um sombreamento e leva à uma composição de luz e sombra muito interessante!

Restaurante de um hotel na Tailândia

Imagem: Accor Hotels

Função dos Brises

De uma forma mais técnica, a principal função dos brises é barrar a incidência direta da radiação solar antes que ela chegue na fachada e ao espaço interno da edificação. Isso faz com que o calor recebido seja controlado e garanta um conforto térmico, garantindo também um melhor controle da iluminação natural e ventilação adequada.

Sendo assim, é um elemento construtivo externo ou seja, instalado nas fachadas. A escolha de seu posicionamento, sua geometria e inclinação depende de uma série de análises feitas pelo profissional responsável, que irá considerar a implantação de seu projeto, a orientação solar, a direção dos ventos, o horário crítico de incidência solar, entre outros fatores.

Detalhe dos brises na fachada e vista interna da Rádio Nacional da Espanha Headquarters / Ravetllat-Ribas

Imagem: Archdaily

Não há restrições para o uso dos brises pelo tipo de edificação. Como falamos acima, é mais comum observarmos estes elementos em prédios institucionais, porém existem projetos lindíssimos de brises em residências. Além de ser uma solução sustentável, é incrível para o conforto térmico de qualquer edificação, independente de seu porte. Uma observação importante é que para edifícios de grande porte, as peças são elementos de peso que devem ser considerados para efeitos de cálculo estrutural. Preocupações relacionadas a praticidade da limpeza e manutenção dos brises também são importantes.

Vistas da área interna de lazer da Residência Brise de Gisele Taranto

Imagem: Archdaily

Detalhe do brise e vista interna da Residência Brise de Gisele Taranto

Imagem: Archdaily

Principais Modelos e Materiais

Não existe apenas um modelo de brise (observação que você provavelmente já teve ao ver as imagens). Os brises podem ser feitos de diferentes materiais, os mais comuns são: concreto, madeira, aço, tela, vidro, policarbonato e painéis fotovoltaicos. Eles podem ser pré-fabricados (quando ele já chega pronto na obra e é encomendado por medidas pré-definidas), fabricados sob medida (também já chega pronto no canteiro de obras mas, você tem a opção de fabricá-lo com as dimensões mais adequadas ao seu projeto) ou moldados in loco (quando eles são feitos no canteiro de obra). Outras classificações que eles podem seguir são:

- Pelas lâminas: verticais, horizontais ou mistas;

- Pela sua mobilidade: fixa ou móvel;

- Pelo seu acabamento: liso ou perfurado.

Brises feitos de diferentes materiais, na ordem: brise em madeira (Edifício em Istambul, por Tago Architects), concreto (Ministério da Educação e Saúde, de Lúcio Costa), e em placas de mármore (Centro de Saúde Mediterrâneo Norte, por Ferrer Arquitectos).

Imagem: Archdaily

A mensagem principal que queremos passar aqui é como este elemento pode ser uma alternativa que associa a estética à um melhor desempenho e conforto térmico para a sua edificação. Por fim, podemos fazer uma listagem rápida de algumas vantagens e desvantagens dos brises.

Vantagens e desvantagens

Vantagens

  • Reduzem a carga térmica;

  • Garantem um bom desempenho térmico e luminoso;

  • Colaboram com a economia de energia, já que você pode por exemplo, reduzir os custos com ar condicionado em um ambiente climatizado naturalmente;

  • Permitem a ventilação e a visibilidade.

Desvantagens

  • Dependendo do brise escolhido, a manutenção pode ser complicada, especialmente nas peças móveis (o mesmo vale para a limpeza);

  • O custo é elevado comparado a outras soluções da categoria.

Vale lembrar que a escolha da melhor opção de material, forma, tipologia - seja ela qual for - e principalmente, os cálculos e análises envolvidos na escolha do brise não cabem a você! Neste post te damos uma ideia geral dessa possibilidade construtiva. Se você vai construir, discuta com o seu arquiteto responsável pelo projeto sobre soluções voltadas para o conforto térmico e lumínico da sua edificação, este profissional vai analisar as melhores opções e estratégias para a realidade da sua edificação. O mesmo vale para quem já tem a sua casa / comércio / instituição montada e quer melhorar os padrões de conforto: procure um profissional na sua região, ele te dará as orientações sobre o que fazer.

Esperamos que com este post você tenha se familiarizado com mais uma solução sustentável que além de funcional é linda!

Casa GCP / Bernardes Arquitetura - São Paulo / SP

Imagem: Archdaily

Escola em Alto de Pinheiros / Base Urbana - São Paulo / SP

Imagem: Archdaily


#arquiteturasustentável #construçãosustentável #sustentabilidade #arquitetura #brises #iluminação #ventilaçãonatural

M2 Arquitetura Interiores & Sustentabilidade | (31) 99800-0372 | (31) 99266-1513  ola@m2arquiteturaeinteriores.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle